A HOMOSSEXUALIDADE NÃO É AFRICANA. A HETEROSSEXUALIDADE TAMBÉM NÃO. (PARTE 1)

(O objetivo deste texto é propor uma tentativa de discussão sobre o que o ocidente denominou de “orientação sexual” numa perspectiva afrocentrada. O conceito de “identidade de gênero” será discutido num texto futuro, se me permitido for. Dividi em 2 partes, porque ficou grande demais pro blog e pra ficar mais confortável de ler no FB. As concepções africanas aqui discutidas estão baseadas na mitologia dos yorubás, mas também cito os dagara. Tomei a liberdade de generalizar a concepção yorubá como exemplo de “AFRICANIDADE” com base no que Cheikh Anta Diop chama de “unidade cultural da África negra” e reconhecendo, por exemplo, a influência kemética desse povos. Lembremos, ainda, do que Asante chama de “sistema cultural preto” e de “unidade na diversidade”, conceitos que incluem a diáspora. De antemão, porém, já vou pedindo perdão pelo nagocentrismo. Vamos lá.)

INTRODUÇÃO

Fui ensinada que mulheres que se casam com mulheres deveriam se chamar “lésbicas” (ou talvez “bi”). Passeei pelos escritos da Audre Lorde e sua discussão sobre lesbianidade preta, pelas leituras do feminismo (especialmente do feminismo radical) que coloca a lesbianidade como uma espécie de posição política/evolução/emancipação; a concepção “sem rótulos” e condenadora da heterossexualidade da teoria queer; descobri a afrocentricidade (ufa!) e tenho buscado entender sexo/sexualidade(s)/afetividade(s) pelo viés do nosso povo. Esse ponto é fundamental neste texto: minha busca é entender como o povo preto, em suas bases, lida com a sexualidade antes da desgraça que foi a entrada da brancura nas nossas vidas, trazendo para nós genocídio e suas teorias brancas explicativas. Pois bem.

Primeiro eu gostaria de dizer que essa concepção de que pode-se assumir uma lesbianidade política contradiz o próprio discurso LGBT de que não se escolhe orientação sexual. Tenho lido muitas irmãs pretas escrevendo que “ser lésbica” é uma espécie de “evolução”, já que mostra de que não precisamos de “omi” pra nada. Seria, assim, o supra-sumo da emancipação da mulher. Três coisas: 1) eu preciso dos meus irmãos (e reduzir esse “precisar” a uma questão meramente sexual-reprodutiva é de uma branquice sem limites.) 2) Nós, todos nós, devemos 50% da nossa genética (e, portanto, a nossa existência) a um homem. Então vamos parar de discurso pronto. 3) Eu não busco a emancipação feminina pura e simplesmente, mas a emancipação do meu povo, o que significa o retorno/criação de uma sociedade matriarcal (logo, emancipação feminina também, mas não somente). – Já diz o Ba Kimbuta “Que retome o matriarcado. Mate o patriarcado.” Mulherismo africana é isso.

Segundo eu gostaria de dizer que a dita “heterossexualidade” preta é absurdamente revolucionária. Aliás, o amor entre nós é revolucionário. 1) Foi a “heterossexualidade” preta que deu origem a humanidade. 2) Pra um povo curado no veneno, reaprender a amar é tarefa árdua. Amar o opressor é a regra, difícil é a gente se reencontrar. Por isso, quando eu vejo muitos de nós escrevendo que odeiam “cis-heteros”, e que querem “acabar com a família tradicional brasileira” incluindo, nesse bonde, as estendidas (jamais nucleares!) famílias pretas, eu me pergunto: “o ocidente fez alguma coisa diferente de destruir nossas famílias pretas nos últimos 500 anos? Nos últimos 500 anos, quando foi que pudemos ter famílias e relacionamentos saudáveis?” Assumir o discurso de “acabar com a família”, entre nós, serve (e muito!) à supremacia branca. Eles já fizeram isso milhões de vezes. As famílias DE QUEM criaram esse sistema desgraçado? Saibamos a quem odiar.

Ao mesmo tempo, entretanto, vejo alguns irmãozinhos e irmãzinhas ditos afrocentrados que, na ânsia de reeguer o nosso povo, afirmam que a homo/bissexualidade não é africana e blá, blá, blá. Bom. O que eu quero, com esse texto é dizer que a homo/bissexualidade não é africana, muito menos essa concepção embranquecida da heterossexualidade de muitos. O que há de africano em ter filhos e não assumi-los, (um legado doentio da escravidão, mas mesmo assim, presente)? O que há de africano no discurso de posse, uma vez que África é partilha?

TERMOS E CONCEITOS

“Lésbica” é uma referência à ilha Grega (GREGA!) de Lesbos, local na qual a poetisa Safo montou o seu harém de mulheres brancas. Safo também era uma mulher branca. E quem decidiu que eu, mulher preta, deveria assumir uma identidade que faz referência a uma mulher branca grega? A cúpula branca do movimento LGBT. (Lembrando que o boom do movimento LGBT é um fenômeno social do século XX, tipicamente euro-estadunidense.) Fiquei pensando, então: “por que eu não poderia me dizer zami? Ou guardiã? Ou alakuatá?”

Engana-se quem pensa que se trata somente de uma mudança de nome. A concepção é completamente diferente, já que estamos falando de dois berços civilizatórios opostos: o africano e o europeu (lembrando mais uma vez e sempre da teoria dos dois berços do Diop, e que a diáspora também é Afrika). “Zami” é uma corruptela diaspórica do criolo que significa algo como “aquela mulher que trabalha junto com outra mulher enquanto amiga e amante” termo típico das comunidades pretas caribenhas (e que ficou muito famoso após a publicação do livro “Zami” da Audre Lorde. Comum, também, entre mulheres pretas que se relacionavam com outras mulheres pretas no âmbito do movimento negro, inclusive no Brasil). É bem diferente do termo/conceito ”homossexual”, ou, ainda “lésbica”. Se em “zami” o foco é a convivência (logo a construção, o dia-a-dia, a partilha de amor) em “homossexual” o foco é o desejo sexual e em “lésbica” a referência é a ilha comandada por uma mulher branca. Da pra enxergar o reducionismo que é a concepção branca?

Os conceitos de “gay” (rapaz alegre!?), ou “homo/hetero/bissexual” (estes últimos originários da psiquiatria colonialista do século XIX) nos contempla? Não partem eles da historicidade ocidental? (Vejam: a heterossexualidade está incluída.). Lembremos do que nos ensina Toni Morrison sobre como fomos privados de nos auto-nomear dentro desse sistema de supremacia branca. Foi a partir dessas nomeações e das concepções ocidentais de sexualidade da militância LGBT branca-euro-estadunidense que fomos levados a crer que homo/lesbo/bifobia são universais (assim como o machismo e o patriarcado) E ELES NÃO SÃO. Foi essa militância branca pós revolução sexual que transformou o sexo nesse oba-oba-produto. O ocidente moderno é sexocêntrico (se é que esse termo existe). Basta ligar a TV por 5 minutos que a gente comprova. Sexo é energia vital, não oba-oba. Essa sexualidade descontrolada-festa-ostentação (que é “homo” e também “hetero”) tem que relação com a nossa ancestralidade? E elas nos serve de que?

Por qual motivo foi necessário, no ocidente, os brancos LGBTs, se definirem a partir da sexualidade e transformar isso numa agenda de luta? Basicamente por causa da perseguição e patologização feita pelas igrejas, pela ciência e pelo Estado BRANCOS. Ou seja: é preciso deixar nítido que os “LGBTs” brancos sempre foram perseguidos pelo próprio povo branco deles, correto? E que isso os levou a criar a agenda LGBT, correto? Pois bem. Faz sentido, então, os pretos aderirem à denominação e agenda da militância branca LGBT se a perseguição deles conosco é também sexual MAS NÃO SÓ?
Aprendi com o Asante que a maioria das línguas africanas não possui nenhum termo semelhante a “gay” ou “lésbica”, MUITO MENOS “heterossexual”. A Sobonfu Somé também fala sobre isso quando se refere ao povo dagara: os “homossexuais” são chamados de “GUARDIÃES”, e tem um papel especial na aldeia porque são os únicos que tem a capacidade de se comunicar com os dois mundos, o mundo material e o mundo do espírito.(Observemos, mais uma vez, que o foco não é o desejo sexual.) Somé ainda afirma: para os povos dagara, toda sexualidade tem base no espírito.

Na prática, o que isso significa é que, africanamente falando, orientação sexual não gera identidade PRA NINGUÉM. Por isso afirmar a sua heterossexualidade afrocentrada, irmãozinho, não tem nada de afrocentrado. Apesar de existirem diversos termos que denotam relações de intimidade entre mulheres em yorubá, por exemplo, o foco destes termos (ao que me parece e, à semelhança de “zami”) não é o SEXO. Não é o desejo sexual. É muito maior que isso. Presumo, pois, que se definir a partir da sexualidade (seja ela qual for) não é afrocentrado.

Eu sou PRETA. A nossa luta é contra o sistema de supremacia branca e todas as suas fobias, teorias e porcarias. É O SISTEMA DE SUPREMACIA BRANCA que deve ser combatido (não enegrecido, nem concertado, muito menos adaptado). A luta LGBT é branca e limitada porque ela não pede o fim do sistema de supremacia branca homo/lesbo/bi fóbico. Querem o fim das fobias, e não a queda da brancura. E é a queda da brancura que nos interessa enquanto povo. Derrubem o sistema de supremacia branca (em termos econômicos, sociais, políticos, culturais e epistemológicos), que todos as “fobias” caem.

Bom, antes que me venham falar que a África é o pior lugar para um homo/bissexual viver com base no que a mídia branca afirma, lembremos, antes, de quem transformou a África no que ela é hoje. E é por isso que é mais fidedigno olhar pra África verdadeiramente africana. Uma África sem islamismo, nem o moralismo cristão. Uma África anterior ao colonialismo (não é essa a proposta da afrocentricidade?). Recorrerei, assim, à mitologia dos orixás, mais especificamente aos mitos de Logum-edé, Yansã e Oxum pra tentar compreender as concepções de sexualidade no berço africano em contraste ao berço europeu. (Lembremos do Diop mais uma vez, quando ele fala da importância da mitologia para a compreensão de um povo.)
(continua)
__________________________
PS1: outros termos africanos que falam de relações de amor entre mulheres: alabua; alajuatá; obinilogum; oremi; panchagayê. Para homens: adodi, adefantô,adô; adofiró; afofô; akenken; asokosobo; baniyé; ba-yé; diankuné; egbere;elenumeyei; eron kibá; obiní nana; obini toyo;obo okó; adodí; okobiri;okobo

PS2: vou elencar as referências quando finalizar a parte 2 do texto.

Anúncios

18 comentários sobre “A HOMOSSEXUALIDADE NÃO É AFRICANA. A HETEROSSEXUALIDADE TAMBÉM NÃO. (PARTE 1)

  1. Tema mega interessante e q merece reflexões mais aprofundadas. Acredito q com a parte 2 , juntamente con as referências , possamos iniciar um processo de novas concepções.
    Parabéns ! Pois tal visão se apresenta como inédita ,diante do q tem sido posto pelos segmentos “oficiais”.

    Curtir

  2. Adorei a primeira parte do texto, Gilza. Parabenizo também aos conteúdos do seu blog. Eles estão de parabéns. Voltando a falar do texto, ele realmente me abriu os olhos quanto ao perigo de se auto – nomear a partir de epistemologias/conceitualizações euro – cêntricas. Muito obrigada pelo texto

    Curtir

  3. Parabéns pelo texto, são reflexões que eu buscava no entendimento das relações entre pessoas do mesmo sexo no meio de toda essa cultura branca, centrada no sexo e no patriarquismo!
    Aguardo a parte 2!

    Curtir

  4. Muito importante pra mim ter acesso a este conteúdo e estes pensamentos. Acabo de terminar um relacionamento e seu texto trouxe a tona questões que me inquietavam bastante. Acima de tudo importante que me deixou dúvidas a respeito de antigas convicções que precisam mudar em mim e nos meus pares. Parabéns pela iniciativa e que venha a parte 2 com as referências para podermos aprofundar os estudos e impressões sobre nossa vida e sobre uma atuação cultural ampla. Saravá !

    Curtir

  5. Eu estou apaixonado por esse blog. Estou tendo meus primeiros contatos com o panafricanismo, sou gay, e ler esse texto foi libertador. Gostaria de algumas referencias/livros que toquem mais no assunto, estou muito animado pra saber mais da nossa história, do nosso povo ❤

    Curtir

    1. Ô, irmão, que coisa linda! Axé!

      Você conhece “O espírito da intimidade: ensinamentos ancestrais africanos sobre maneiras de se relacionar”? Você o encontra no Google. É um bom início para entendermos como povos africanos lidam com essas questões.

      Espero que goste! Um beijo!

      Curtir

      1. Acabei de ler a parte 2 e estou extasiado com tamanha perfeição e clareza. Incrível como estamos presos as amarras da branquitude em todos os lados, e a descolonização está relacionada até mesmo com os termos que usamos pra nos definir. A partir de hoje Adé e Guardião serão os termos que usarei HAHAHAHA. Obrigado por este blog, Axé ❤

        Ah, e estou ansioso para o texto sobre identidade de gênero.

        Curtir

      2. Ô irmão, eu agradeço! ❤ Vamos trocando por aqui. O texto sobre identidade de gênero vai demorar de sair, porque preciso de mais leituras sobre. Mas tenho já algumas reflexões sobre o tema que em breve eu divulgo. Axé pra nós! Com carinho! ❤

        Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s